“Coração Azul” conscientiza cariocas contra escravidão do século XXI

Campanha Coração Azul Contra o Tráfico de Pessoas/Foto: EBC-Agência Brasil

Atividades estão espalhadas pelo Rio desde segunda-feira e vão até 30 de julho, Dia Mundial contra o Tráfico de Pessoas

Se trabalho escravo, tráfico humano e exploração sexual lhe soam como temas de séculos passados, saiba que esses crimes contra os direitos humanos ainda resistem firmes na nossa sociedade. E para conscientizar cariocas sobre o tema, até domingo, 30, a campanha “Coração Azul” espalhou pela cidade do Rio de Janeiro diversas ações em pontos como o Terminal Alvorada (Barra da Tijuca), Rodoviária Novo Rio (Santo Cristo) e nos Aeroportos Santos Dumont (Castelo) e Tom Jobim (Ilha do Governador). As atividades são desenvolvidas pela Secretaria Estadual de Assistência Social e Direitos Humanos (SEASDH), a Guarda Municipal (GM-Rio) e o Escritório das Nações Unidas no Brasil.

Nesses terminais com grande fluxo de passageiros estão os “giftbox”: caixas de presente gigantes com imagens e relatos de vítimas de trabalho escravo, servidão doméstica, exploração sexual, adoção ilegal de crianças e até tráfico de órgãos. Os cariocas mais atentos perceberão ainda a cor azul na iluminação de monumentos, rodovias, igrejas e prédios públicos.

Hoje, dia 26, 120 guardas municipais participarão da palestra de conscientização sobre o tema, ministrada pela presidente do Comitê Social Coração Azul Rio, Marília Guimarães, e pela assessora da SEASDH, Sávia Cordeiro.

Já na próxima sexta-feira, 28, acontece o seminário “Tráficos de Pessoas no Brasil – Escravidão em Tempos Modernos”, promovido pela Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Haverá a participação de dez guardas municipais que atuam no atendimento ao migrante no Aeroporto Tom Jobim e uma homenagem à comandante da GM-Rio, inspetora geral Tatiana Mendes, pelo empenho nas ações da instituição contra o tráfico de pessoas na cidade do Rio.

Ao RIO JAÉ, a GM-Rio informou que, neste ano, quatro atendimentos foram realizados, sendo dois casos de tráfico sexual. Desde 2010 mais de 200 casos envolvendo deportação, expulsão e inadmissão de tráfico de pessoas (trabalho escravo e sexual), foram interceptados pelo Posto Avançado de Atendimento Humanizado ao Migrante, que funciona no Galeão. As pessoas devem denunciar todas essas práticas criminosas pelos telefones “Disque 100” ou “Ligue 180”.

Sobre o tema da campanha a Organização das Nações Unidas explica que o coração azul representa a tristeza das vítimas do tráfico de pessoas e lembra a insensibilidade daqueles que comprem e vendem seres humanos. A mesma cor, presente na simbologia da ONU, também demonstra o compromisso da entidade em combater esses crimes que atentam contra a dignidade humana.

Rafael Brito

Rafael Brito

Carioca, músico, jornalista, mal humorado pela manhã, inquieto pela tarde, mas feliz todos os dias. Nem de direita e nem de esquerda, gosto mesmo é de "cutucar" feridas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Oi...Esse aviso é só para te lembrar de CURTIR a nossa FanPage no Facebook.

Assim você estará cada vez mais ligado nas novidades do Rio Jahé!

CLOSE